Jornada nublada

Jornada nublada…

Seca, a árvore dança

Chama a primavera

Forêt endormie

Forêt endormie –

Au lieu des oiseaux

Neige entre les branches

FER

All go so rapidly

All go so rapidly

Still (,)

She goes backwards

[And watch their future]

Mouche à la surface

Mouche à la surface –

Son ombrage se débat

Au fond du lac

________

Mosca na tona –

Sua sombra se debate

No fundo do lago

Silence froid

Silence froid –

Comme un « non »

Jamais prononcé

________

Silêncio frio

Como um “não”

Jamais pronunciado

Goutte de la glace

Goutte de la glace :

Prouesse si réaliste

qui chauffe les cœurs

________

Goteja do gelo

Ato tão façanhoso

que aquenta corações

Rosa entardecer

Rosa entardecer

Um telhado em chamas

As crianças dançam

FER

Frear a Cadência

Frear a cadência…

Condutores de “si-mesmo”

não batem cabeça

Froide ville blanche

Froide ville blanche

Même plus les envies ivres

Ruelles flâneuses

___________

Fria urbes branca

Nem mais os ébrios anseios

Ruas flanantes

By the b(r)ook / Beira do regato

By the brook

languid, long, lovely sludge

Translucid Buddha

________

Beira do regato

lenta, longa, linda Lama

Translúcida (ao) Buda

Uma musa em chamas

Uma musa em chamas

amor… amor… transcendência

O sono mais tenro

FER

Onda azulada

Onda azulada

Onda noturna do sol

Aurora boreal

Maybe for the hell of it

Maybe for the hell of it

Maybe it’s irrelevant

Maybe I’ll write “elephant”

By: Jordan Zalis

_________

Talvez só pra ver o oco

Talvez seja irrelevante

Talvez eu escreva “elefante”

By: FER

À Donald Trump . Paix & Amour

La politique est arrivée

Au tout début

De rien de tout

___________

Politics arrived

To the very beginning

Of nothing at all

FER

Elle se dépose

Elle se dépose

Dans la pluie qui tambourine

L’esprit grand ouvert

I won’t touch … Je ne toucherai pas …

I won’t touch perfection

It’s before “I”, it’s beyond…

The bull drinks the river

________________

Je ne toucherai pas à la perfection

Elle est devant « moi », elle est au-delà…

Le taureau boit la rivière

O Palhaço

 

Uma garrafa vazia

 

De lembranças

Aquele poeta sozinho

 

Quando despertou se haviam

ido as preferências, os

discernimentos: não mais envelhecia

 

E na falta do tempo, onde se agarrar

Do álcool, pra se evaporar

Da lógica, que a todos vem dividir

Só o voo da trapezista é sólido e sincero

 

Palhaço cambaleante, embriagado no

picadeiro. Confuso… eu desperto

Palhaço cambaleante, embriagado no

picadeiro. Confuso… desperta

Risos . Aplausos

 

3 Haicais e meio

 

Se apodera a música

Crava seu fim e começo

No tempo vazio

 

 

A música conta

Um verso               corta                         o espaço

O indefinível

 

 

“O olho macio”

Devaneia um cão negro

Rolando na neve

 

 

Rolando na neve

Um cão negro devaneia:

“O olho macio”

 

La Fontaine

 

(Para: Adriana Calcanhoto)

Sentado no pico de um grão de areia

ecoando ondas rítmicas

 

Descrevendo o impossível num verso

assemelho o passado a um sonho

Apreensão do relâmpago

sensação tão distante

 

Agora te vejo parada

ponte entre o deserto e o paraíso

Parada… deserto e paraíso

– Apreensão                           tão distante

 

Uma ideia certeira

Brota na cabeleira

Espasmos… lampejos

Além da ponte,

Além, a fonte

Além da ponte

Instinto do instante

FER

 

Vai Brotar da Terra

 

Sólido granito

dança no concreto

escurece a escada

na fila ao metrô.

 

Do teto uma gota

bate na moleira

palpitante sangue

que pressiona e rasga

vai brotar da Terra

sólido concreto

gélida calçada.

Sabe o que faz a Terra de quem sacaneia ela?

Engole

Afunda esse entulho ao longo dos séculos até virarem petróleo.

 

Negro ouro arrancado das entranhas do oceano

então Gaia observa enfiarem o entulho contendo os sacanas no tanque dos carros… Consumidos manés tornados petróleo por ferrarem a Terra

Sólido granito

carcomido a teias

escarlate ataque

clara louça lua

fundo na floresta

de árvores vermelhas

FER

 

Subscribe to our newsletter

www.000webhost.com